Máximas de Nietzsche

Dos livros:
Humano, Demasiado Humano
AntiCristo
Crepúsculo dos Ídolos
Gaia Ciência
Genealogia da Moral

A fé não move montanhas. Na verdade coloca montanhas onde não há nenhuma.
O amor é o estado em que os homens vêem as coisas como elas não são.
É traço de uma cultura grosseira fazer calar alguém tornando visível a brutalidade, suscitando o medo.
Convicções são inimigos da verdade mais perigosos que as mentiras.
É a partilha da alegria e não do sofrimento, o que faz o amigo.
Chamar alguém de divino significa dizer: aqui não precisamos competir. E além disso: tudo o que está completo e consumado é admirado, tudo o que está vindo a ser é subestimado.
Havendo a escolha deve-se preferir um grande sacrifício a um pequeno: pois compensamos o grande sacrifício com a auto-admiração, o que não é possível no caso do pequeno.
Aquele que vive de combater um inimigo tem interesse em que ele continue vivo.
A coisa obscura e inexplicada é vista como mais importante do que a clara e explicada.
Existem almas servis que levam a tal ponto o reconhecimento por benéficos, que estrangulam a si mesmos com o laço da gratidão.
Homens grosseiros que se sentem ofendidos costumam ver o grau de ofensa como o mais alto possível, e relatam a sua causa em termos bastante exagerado, apenas para poder se regalar no sentimento de ódio e vingança.
Não se ataca apenas para fazer mal a alguém, para derrotá-lo, mas talvez simplesmente para tomar consciência da própria força.
O poder da imprensa consiste em que todo indivíduo que para ela trabalha sente-se muito pouco comprometido e vinculado. Em geral ele diz sua opinião, mas ocasionalmente não a diz, para ser útil a seu partido, à política de seu país ou a si mesmo.
Ouvimos apenas as questões para as quais somos capazes de encontrar resposta.
O que em geral se consegue com o castigo, em homens e animais, é o acréscimo do medo, a intensificação da prudência, o controle dos desejos; assim o castigo doma o homem, mas não o torna melhor.
Muitos são obstinados em relação ao caminho tomado, poucos em relação à meta.
O aborrecimento é uma doença física que não é suprimida pelo fato de seu motivo ser eliminado.
Gostamos muito de estar em plena natureza, porque ela não tem opinião alguma sobre nós.
Quem pensa mais profundamente sabe que está sempre errado, não importa como proceda e julgue.
O erro fez dos animais homens; a verdade seria capaz de tornar a fazer do homem um animal?
Quem pensa muito e pensa objetivamente, esquece com facilidade as próprias vivências, mas não os pensamentos por elas suscitados.
A fantasia do medo é aquele perverso simiesco duende que pula sobre as costas do homem quando ele carrega justamente o fardo mais pesado.
É para com o seu Deus que as pessoas são mais desonestas: ele não tem o direito de pecar.
Uma alma que se sabe amada, mas que por sua vez não ama, denuncia o seu fundo: vem a superfície o que nela há de mais baixo.
Maturidade do homem: significa ter-se reencontrado a seriedade que se tinha nas brincadeiras de infância.
Quem em prol da sua boa reputação, não se sacrificou já uma vez a si próprio.
As grandes épocas de nossa vida são aquelas em que adquirimos a coragem de considerar como o nosso melhor aquilo que em nós há de mau.
Em última análise, amam-se os nossos desejos e não o objeto de nossos desejos.
Falar muito de si mesmo pode ser também um meio de se esconder.
Há uma exuberância na bondade que parece ser maldade. .
É o abdômen que impede o homem de se considerar facilmente um Deus.
Quem luta com monstros deve velar porque, ao fazê-lo, não se transforme também em monstro. E se tu olhares, durante muito tempo, para um abismo, o abismo também olha para dentro de ti. A loucura é rara nos indivíduos – mas é a regra nos grupos, nos partidos, nos povos, nas épocas.

Anúncios